Muitas empresas e vendedores desejam estabelecer valores mínimos para seus clientes realizarem compras pelo crédito ou débito. A dúvida que surge, no entanto, é se de acordo com a legislação vigente, se esses vendedores podem ou não realizar essas cobranças mínimas.

Pode exigir pagamento mínimo no cartão de crédito?

Não. Apesar das transações em cartões de débito e crédito incorrerem custos que podem tornar vendas não tão lucrativas para o vendedor, esses custos tem que ser assumidos pelo vendedor, e não pelo comprador. Exigir um valor mínimo de pagamento no cartão de crédito é abusivo. Ao optar por aceitar pagamentos em cartão, o vendedor já deve acrescentar esses custos no valor dos produtos. É um risco que o vendedor tem que assumir e incluir em seus custos.

E o vendedor pode exigir uma parcela mínima no cartão de crédito?

Assim como o vendedor não pode estabelecer um valor mínimo para cobrar seus clientes, ele também não pode estabelecer um valor de parcela mínima para poder realizar a cobrança de parcelas. Apesar de ser uma prática comum, novamente, é um caso em que o vendedor deve assumir o risco pelo negócio e acrescentar os custos das compras nos cartões em suas transações.

Cuidado para prejudicar relacionamentos com clientes

Se você impor uma transação mínima, essa é uma história diferente com seus clientes. Em primeiro lugar, você poderá ser acionado pelo PROCON, por estar fazendo algo que é ilegal. Você pode acabar sendo alvo de denúncias nas Redes Sociais ou sites que reúnem as reclamações dos clientes. Muitas vezes, os comerciantes impõem um mínimo porque, em pequenas compras, as taxas de processamento dos cartões de crédito podem consumir os lucros da venda de um item. Mas como dissemos, é um risco que o vendedor deve assumir e incluir os custos dessas transações no preço de venda de seus produtos. Ou não aceitar cartões de crédito e débito em sua instituição.

No entanto, você deve ponderar os possíveis benefícios financeiros de recusar transações em cartões contra o fato de que não aceitar os cartões irá incomodar alguns de seus clientes. Muitas pessoas realizam quase todas as suas transações eletronicamente hoje em dia e não tem muito dinheiro consigo mesmas. Se você afastar quando eles quiserem pagar com cartão, você pode acabar perdendo seus clientes. Mas o que fazer então?

Pagamento mínimo no cartão

Entenda as questões legais de exigir um pagamento mínimo para passar o cartão em sua loja e evite problemas. (Foto: creditcards.com)

Cobrar valor diferente para pagamento em cartão

Se for apenas uma rara ocasião em que os clientes tentam realizar uma compra muito pequena, você deve se planejar para isso. Que diferença faz se você não manter o lucro em uma lata de refrigerante por mês? Nos casos em que as taxas de processamento de cartão de crédito podem realmente aumentar para os pequenos comerciantes estão nas lojas que fazem um grande volume de transações, como supermercados, padarias, entre outras lojas.

Então, o que você pode fazer, e não é ilegal, é cobrar um valor diferenciado para quem pagar no dinheiro ou no cartão. Geralmente a prática é dar um desconto de 5% para quem vai pagar no dinheiro ao invés do cartão. Essa decisão é recente na justiça, e é completamente legal, além de mostrar aos clientes que eles tem opções de descontos além da negociação.

Outras opções para cortar custos de transação

Para evitar ter que afastar as pessoas, alguns comerciantes incentivam os clientes a comprar mais. Por exemplo, você pode usar um clássico, comprar dois, obter uma promoção gratuita ou algo assim, ou oferecer um desconto atraente se os clientes comprarem um tamanho grande de produto que você vende. Os consumidores tomam muitas decisões com base na emoção, incluindo onde comprar. Quanto mais bem-vindas se sentirem, maior será a probabilidade de gastarem seu dinheiro com você. E o desconto no pagamento em dinheiro é ainda um bônus para os clientes serem fidelizados.

Como você faz para manter seus clientes? Quais critérios utilizam para estabelecer pagamentos de clientes?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)