O iFood é um portal de entrega de comida online que desenvolve um sistema inovador para que os usuários possam solicitar entregas na Internet sem problemas. O objetivo é revolucionar o mundo da comida para uma vida mais prática e agradável. Em um ambiente tecnológico inovador e o desafio de um forte crescimento com os parceiros de entrega, restaurantes e clientes.

Para atender aos seus clientes, o iFood também passou a oferecer máquinas de cartão para aceitar pagamentos mais facilmente. Vamos conhecer mais dessa maquininha e da história do iFood.

Maquininha iFood: o que esperar?

A máquina do iFood está disponível em alguns modelos simples, ambos com conexão WiFi e GPRs, sem precisar de conexão com celular. O plano de dados é gratuito. O modelo maior, a Ultra, imprime recibos, enquanto o modelo menor, a Fast, só envia por SMS. Ambas são máquinas sem aluguel e com envio gratuito para todo o Brasil.

Ao vender com a máquina do iFood, você recebe em até 2 dias vendas no débito na conta cadastrada ou em uma conta digital MovilePay. Vendas no crédito são recebidas em 30 dias, ou podem ser antecipadas para serem recebidas em 2 dias, pagando uma taxa maior. Parcelamentos tem um adicional por cada parcela. As taxas estão bem competitivas, e empresas com um faturamento maior que R$50 mil por mês podem ter tarifas ainda menores. A calculadora disponibilizada pela iFood pode te ajudar na hora de comparar e negociar taxas com outras empresas.

História da iFood

Eduardo Baer, ​​Felipe Ramos Fioravante, Gabriel Pinto, Guilherme Bonifacio e Patrick Sigrist a fundaram em 15 de maio de 2011 e estão sediados em Jundiaí, Brasil, como subsidiária da Movile Internet Móvel.

A iFood do Brasil é um ótimo exemplo de uma empresa altamente inovadora que é muito um produto do Vale do Silício – mesmo sendo fundada e financiada em grande parte por brasileiros (e sul-africanos). Ela levantou quase US $ 600 milhões e rapidamente construiu um negócio gigante. É um dos nove unicórnios do Brasil hoje.

O aplicativo brasileiro iFood, especializado em fornecer refeições prontas para os consumidores nas grandes cidades, procura expandir seus serviços para outras áreas e planeja aumentar as operações no varejo ainda mais. O aplicativo, que é controlado pela empresa brasileira Movile e recebe cada vez mais investimentos, aumentando o número de empresas atendidas por sua plataforma, com um crescimento constante do número de vendas na plataforma.

Máquina de cartão do iFood

A maquininha do iFood foi feita para os entregadores e empresas poderem ter mais uma opção para cobrar dos clientes. (Foto: iFood)

Inteligência artificial e iFood

A IA está no centro do iFood, mas não apenas para um grupo de elite de desenvolvedores de IA. A empresa e todos os funcionários da iFood e Movile – mais de 3.000 – são submetidos a treinamento obrigatório em IA, começando com o que é IA, como usá-lo, para que usá-lo e progredindo para um treinamento mais avançado. .

Todos são afetados direta ou indiretamente pela IA. Se você faz parte da equipe de vendas, a IA ajuda a direcioná-lo para as melhores perspectivas. Se você é um membro da equipe de experiência do cliente, a AI ajuda a aumentar ainda mais a experiência do cliente.

Por causa dessa dependência fundamental da IA, a equipe executiva decidiu que era absolutamente crucial ser a primeira empresa brasileira a ajudar a educar todos os seus funcionários a serem especialistas em IA.

Um grupo recém-formado dentro da empresa, chamado AI Academy, é um laboratório de P&D . Atualmente, ele conta com cerca de 100 cientistas de dados e especialistas relacionados para desenvolver tecnologias de IA e trabalhar em estreita colaboração com várias unidades de negócios para resolver seus maiores problemas e aumentar a participação de mercado.

Inovação da iFood

Além da equipe treinada em IA, existem várias iniciativas inovadoras atuais e planejadas no iFood, como:

O uso de robôs autônomos para ajudar na entrega de alimentos em grandes edifícios ou grandes áreas do campus. É uma parceria com a Synkar, sediada no Brasil.

O iFood criou seus próprios mapas digitais, que são usados ​​para determinar os tempos de preparação de alimentos para melhorar suas previsões de entrega e mapear rotas mais eficientes para seus parceiros de entrega.

É o primeiro da América Latina a usar o Alexa da Amazon para selecionar menus e pedir comida.

Ele pode monitorar os parceiros de entrega e recompensar aqueles que mantêm os limites de velocidade publicados.

Ela planeja usar a entrega de drones, mas não substituir os parceiros de entrega, mas transferir alimentos da cozinha para os hubs do iFood, que podem reduzir em até 12 minutos os prazos de entrega atuais.

Criou equipes internas e multifuncionais para encontrar rapidamente soluções para problemas e desenvolver novos serviços.

O iFood se considera uma empresa de tecnologia; A primeira gigante do setor de tecnologia em alimentos do Brasil.

Alimentos para todos

O foco da empresa na comida é um movimento genial em termos de pensar imensamente grande. A comida é intensamente importante para todas as pessoas vivas e é necessária várias vezes ao dia. Os alimentos são essenciais para a nossa saúde e para manter o funcionamento civil da sociedade. E inclui uma vasta economia de produtores e consumidores. A comida é onde há uma oportunidade de causar um enorme impacto no maior mercado-alvo: toda a população do mundo.

O que acham da maquininha e dos serviços da iFood? Acham que vale a pena? Como comparar com outras empresas?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)